BNDES dará R$ 23 bi à infraestrutura

[:br]O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai aumentar este ano o financiamento de grandes obras de infraestrutura, que o governo quer acelerar como forma de sustentar a taxa de investimentos na economia em meio à instabilidade internacional.

Em entrevista ao Estado, o diretor de Infraestrutura e Insumos Básicos do BNDES, Roberto Zurli, disse que o banco se prepara para despejar R$ 23 bilhões em projetos de energia, logística e transportes em 2012, quase 28% a mais do que o emprestado em 2011.

No ano passado, os projetos de infraestrutura consumiram pouco mais de R$ 18 bilhões, o que já representou uma alta de 15% em relação a 2010. O desempenho fez o setor tomar a liderança da indústria no desembolso total do banco em 2011, ainda não divulgado, de cerca de R$ 140 bilhões. Apesar da retração de 17% do crédito total do BNDES em relação aos R$ 168 bilhões de 2010, a atuação do banco na infraestrutura continua em crescimento.

“A infraestrutura tem uma demanda crescente e é um motor importante no crescimento do País. Há uma demanda firme de longo prazo”, afirmou o diretor. Além de contar com o caixa do BNDES, o governo tem como estimular os investimentos com o calendário de leilões de concessão e a execução do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que tem no banco de fomento o principal financiador por meio de um programa com vigência até 2014.

Segundo Zurli, o setor de energia elétrica seguirá liderando os desembolsos. Em 2011, o setor ficou com 76% das liberações para infraestrutura com o início das liberações de créditos, como os das hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio, em Rondônia, e o da planta nuclear de Angra 3, no Rio. O banco também concedeu um empréstimo-ponte de R$ 1 bilhão para a construção da Usina de Belo Monte, no Pará, cujo financiamento o diretor espera ter aprovado até março. Até lá, o BNDES pode aprovar uma nova operação intermediária, diz o executivo.

“Há essa possibilidade de um ponte adicional para não prejudicar o ritmo das obras, que estão em ritmo acelerado. Tempo é dinheiro para esses projetos”, justificou. Segundo Zurli, a solução do licenciamento ambiental e a reestruturação acionária do consórcio deixaram apenas detalhes burocráticos para a aprovação do crédito. “Não há dúvidas quanto ao projeto em si.”

A operação será a maior já aprovada pelo BNDES, que poderá financiar até 80% da obra orçada em mais de R$ 20 bilhões. O último recorde foi o crédito de Jirau, de R$ 7,2 bilhões.

Outras áreas. Apesar do foco em energia, o BNDES espera aumentar este ano o crédito em outras áreas, como as de portos, ferrovias e rodovias. O BNDES já conversa com os grupos que se articulam para disputar Guarulhos, Brasília e Viracopos no leilão de fevereiro para financiar os investimentos nos aeroportos.

No radar do banco também está a nova tentativa de licitação do Trem de Alta Velocidade (TAV) que vai ligar Campinas, São Paulo e Rio este ano. Mesmo com a gradativa redução do reforço do caixa do BNDES com empréstimos do Tesouro, Zurli diz que o banco está confortável para seguir como principal financiador de grandes projetos de longo prazo em infraestrutura, cuja superação de gargalos pode estimular investimentos em outros setores.

Somando o crédito para grandes projetos às operações indiretas de menor porte para aquisição de máquinas, equipamentos e veículos, a infraestrutura respondeu por 41% de todas as liberações do BNDES até outubro, R$ 42,6 bilhões, enquanto a indústria ficou com 31%, R$ 32,07 bilhões. Em 2010, sob impacto do aporte do BNDES na capitalização da Petrobrás, a indústria liderou com 47% dos recursos do banco.

O BNDES ainda financia investimentos em infraestrutura urbana, como saneamento e mobilidade, mas essas operações são agrupadas na diretoria de Inclusão Social. Também ficam nessa área os financiamentos para estádios e hotéis para a Copa do Mundo de 2014, que já têm mais de R$ 3 bilhões contratados.

As passagens aéreas devem pressionar a inflação oficial com carga dupla nos primeiros meses de 2012. Além do movimento de elevação dos preços anunciado pelas companhias, os bilhetes passarão a ter uma maior influência no cálculo da inflação, remodelado para espelhar melhor as mudanças dos hábitos de consumo no País.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aumentou o peso do item no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA) de 0,53% para 0,57%. Com o crescimento da classe média nos últimos anos, as viagens de avião ficaram mais comuns no dia a dia dos brasileiros e passarão a ter mais relevância no indicador no cálculo da inflação oficial. O cálculo do IBGE exclui as tarifas dos voos realizados durante a semana, demandados especialmente por passageiros de negócios. “Nós pesquisamos apenas as passagens de viagens de lazer e apenas aquelas compradas nas duas maiores companhias aéreas”, disse a gerente da coordenação de índices de preços do IBGE, Irene Machado, referindo-se a TAM e Gol.

O aumento do peso das passagens no IPCA vai fazer com que as altas de preços, iniciadas no último trimestre do ano passado e que devem continuar em 2012, passem a pesar mais sobre o índice.

O objetivo das companhias é recuperar as perdas registradas no ano passado, resultado da combinação de dólar e preço do combustível em alta e yield (valor médio pago por passageiro a cada quilômetro voado) no patamar mais baixo dos últimos dez anos. “O grande vilão das passagens é o dólar. O leasing dos aviões, combustível e outros materiais são cotados em dólar. Quando a moeda sobe, os custos das empresas aumentam e não há alternativa a não ser repassar isso para o preço das passagens”, avalia o especialista em transporte aéreo Nelson Riet.

Na avaliação de Riet, a elevação dos preços deve perdurar além da alta temporada, época em que tradicionalmente as aéreas aumentam as tarifas.

Perdas. Esse cenário colaborou para que TAM e Gol registrassem prejuízos de R$ 619,7 milhões e R$ 516,5 milhões no terceiro trimestre do ano passado, respectivamente. Procurada, a Gol não informou até que mês pretende continuar com essa estratégia, mas ressaltou que o preço do querosene de aviação, que representa 50% dos custos da companhia, está impactando diretamente na sua operação.

A TAM confirmou que seguirá aumentando os yields ao longo deste ano, mas diz que ainda não pode precisar quando o movimento cessará. A Azul não respondeu à reportagem até o fechamento desta edição.

Essas perspectivas contrastam com a avaliação otimista do governo. Na semana passada, o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, disse, em Brasília, não contar com uma nova rodada de fortes aumentos dos bilhetes.

“A gente não espera ter em 2012 alguns fatores, alguns choques que ocorreram ao longo de 2011 e foram muito fortes para a inflação, como, por exemplo, o aumento das passagens aéreas e do etanol. São fatores que não devem se repetir neste ano”, avaliou na ocasião.

Fonte: O Estado de São Paulo[:]

Compartilhe esta notícia
LinkedIn
Twitter
Facebook
WhatsApp

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site. Para mais informações, visite nossa Política de Privacidade.

Abrir bate-papo
1
Olá 👋
Podemos ajudar?